• Equipe NeuroVox

Este ingrediente pode estender sua vida, afirma estudo

Atualizado: Mar 15

O consumo regular de doses moderadas de azeite de oliva pode prevenir doenças associadas ao envelhecimento, e aumentar longevidade.


A dieta do mediterrâneo é uma das mais estudadas pela ciência. Seus benefícios são bem conhecidos, e incluem a longevidade saudável, a redução de diversas doenças e a prevenção do surgimento de doenças que afetam o corpo, de maneira geral, e o cérebro, em específico.


Trata-se de uma dieta baseada no consumo de alimentos frescos e naturais. Isso envolve grande quantidade de vegetais, incluindo frutas, legumes e cereais naturais integrais. Essa dieta também inclui o consumo de carnes brancas, com quantidade moderada de frutos do mar e peixes. Envolve o pouco consumo de carne vermelha e alimentos processados e industrializados, e também pouco consumo de carboidratos simples e/ou vazios (tal como açúcar e farinha branca).


Um aspecto importante da dieta é a gordura. Evita-se totalmente gorduras inflamatórias (tais como óleos vegetais de milho, cártamo, girassol e soja, e também gorduras derivadas de alimentos industrializados altamente processados). As gorduras da dieta mediterrânea derivam de grãos (nozes e castanhas, por exemplo), e principalmente do azeite. Os benefícios do consumo regular de azeite vêm sendo divulgados há décadas, e um recente estudo científico traz novas evidências dos possíveis benefícios de consumir esse óleo.


A dieta do mediterrâneo envolve, também, o consumo leve de bebida alcoólica — especificamente, o vinho. Estudos já haviam sugerido que uma substância presente no vinho (o polifenol chamado resveratrol) está associada à ativação de processos biológicos que auxiliam o prolongamento da vida. Esse novo estudo indica que uma substância presente no azeite também está associada à ativação dos mesmos processos biológicos e, portanto, possui o potencial de prolongar a vida.


Os pesquisadores verificaram, inclusive, que os benefícios de consumir regularmente quantidades moderadas de azeite são potencializados por dois outros aspectos do estilo de vida: a atividade física e o jejum. Quando consumimos o azeite, as substâncias químicas benéficas desse óleo são armazenadas nas células do corpo. A liberação de tais substâncias ocorre quando o corpo utiliza sua própria gordura. Isso é realizado principalmente quando nos exercitamos, quanto quando estamos em jejum.


Esse estudo, portanto, sugere que não só o consumo de azeite pode ter efeitos importantes para o prolongamento da vida, mas que a prática de jejum intermitente e atividade física regular são potencializadores desse efeito.



Estudo original:


Najt, C. P., Khan, S. A., Heden, T. D., Witthuhn, B. A., Perez, M., Heier, J. L., ... & Mashek, M. T. (2019). Lipid Droplet-Derived Monounsaturated Fatty Acids Traffic via PLIN5 to Allosterically Activate SIRT1. Molecular Cell. doi: https://doi.org/10.1016/j.molcel.2019.12.003

644 visualizações

NeuroVox News

Psicologia e Neurociências, por Pedro Calabrez

contato@neurovox.com.br

  • Facebook NeuroVox
  • Instagram NeuroVox
  • YouTube NeuroVox

© 2020 NeuroVox - Todos os direitos reservados.